CENARIO
Logo Diario X
Aqui tem a Verdadeira Notícia
20 de maio de 2024
Coxim
24ºC

Mundo

Policiais vão a funerária para tentar desbloquear celular com dedo de morto

Agentes queriam acessar dados de Linus Phillip, de 30 anos, que foi morto pela polícia na Flórida. Namorada se queixou de falta de respeito, mas tenente disse não precisar de ordem judicial por não haver 'expectativa de privacidade depois da morte'.

24 ABR 2018Por Redação/TR05h:47

Policiais entraram em uma funerária da cidade de Clearwater, no litoral oeste da Flórida, e usaram os dedos de um morto para tentar desbloquear o seu telefone celular, tudo isso com o objetivo de investigar o tiroteio que ocasionou a morte, segundo informou a imprensa local nesta segunda-feira (23).

O fato, divulgado apenas agora, aconteceu em março, quando dois detetives da polícia da cidade de Largo entraram na funerária Sylvan Abbey Funeral Home, em Clearwater, com um celular que pertencia ao morto, Linus Phillip, de 30 anos, e tentaram usar a impressão digital para tentar desbloquear o aparelho e acessar as informações.

Apesar da tentativa inusitada, os agentes não conseguiram desbloquear o smartphone do proprietário, segundo o jornal "Tampa Bay Times". A namorada do falecido, Victoria Armstrong, de 28 anos, que estava no local, expressou indignação com o fato e considerou a iniciativa dos detetives uma falta de respeito.

O tenente Randall Chaney confirmou o fracasso das tentativas de desbloquear o telefone para acessar possíveis informações sobre o tiroteio no qual Phillip foi abatido pelos agentes.

Chaney disse acreditar que uma ação do tipo não requer uma ordem judicial porque "não é concedida uma expectativa de privacidade depois da morte". A opinião do tenente é polêmica e esbarra em questões éticas e legais, inclusive na de dignidade na morte, mas vários especialistas o respaldam, segundo a publicação.

Linus Phillip foi morto pela polícia em março em um posto de gasolina da cidade de Wawa, quando tentou fugir dos agentes em seu veículo.

Fonte: G1

M9

Leia Também