Publicidade
Marmoaria

Diário X

31 de maio de 2020
Aqui tem a Verdadeira Notícia
32º 19º
Coxim/MS
30º 18º
Campo Grande/MS
26º 13º
São Paulo/SP
24º 10º
Brasília/DF

Brasil

Brasil deve entrar em isolamento vertical, priorizando os idosos

25 MAR 2020Por Paulo Ricardo22h:20

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (25) que vai propor o "isolamento vertical" durante o combate ao coronavírus, como já está acontecendo em outros países, caso contrário, o Brasil pode entrar numa recessão.

A medida consiste em isolar somente quem faz parte do grupo de risco, tais como: idosos e pessoas com problemas respiratórios

Ele disse que alguns prefeitos e governadores estão “arrebentando com o país e acabando com os empregos” ao estabelecerem medidas de isolamento a todos.

Ainda, na entrevista, Bolsonaro disse que o Brasil tem 38 milhões de autônomos e uma boa parte deles não está ganhando o seu ganha-pão. “O que eles tinham na geladeira, se ainda não terminou, deve estar terminando”.

A economia pode entrar em caos, o povo pode saquear os supermercados por falta de comida

Sem a produção das empresas, não tem como pagar os funcionários, e não adianta os governadores pedirem medidas de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) quando o povo começar a saquear os supermercados, porque não vai ter gente suficiente para controlar o caos.

“Se a economia colapsar, não tem dinheiro para pagar nem servidor”, e fiquem sabendo “o caos está aí, na nossa cara. Vamos ficar com o caos e o vírus”, disse o presidente Jair Bolsonaro

Bolsonaro ressaltou que cada família deve ser responsável pelos seus parentes idosos. “O povo tem que parar de deixar as coisas em cima do poder público”, afirmou.

Ministro da Saúde

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mudou seu discurso na tarde desta quarta-feira. “Tem que arrumar esse negócio de quarentena, foi desarrumado, foi cedo, foi precipitado”, disse Mandetta em entrevista coletiva.

Sugerindo que às medidas de restrição e circulação de pessoas adotadas por alguns governadores e prefeitos, para combater o coronavírus, foram decididas de forma precipitada.

Leia Também