Publicidade
Marmoaria

Diário X

25 de setembro de 2020
Aqui tem a Verdadeira Notícia
38º 23º
Coxim/MS
36º 22º
Campo Grande/MS
30º 16º
São Paulo/SP
30º 15º
Brasília/DF

Polícia

Policial militar que matou colega é absolvido quase um ano após o crime

13 SET 2020Por Redação / EC21h:00

Foi absolvido por maioria de votos o policial militar Izaque Leon Neves, de 33 anos, que matou em outubro de 2019 o colega e também policial militar Jurandir Miranda, de 47 anos, em uma lanchonete de Aquidauana - cidade localizada a 135 km de Campo Grande. A decisão foi proferida pela Justiça Militar na sexta-feira (11).

"Ele foi absolvido pois foi reconhecimento a legítima defesa. O juri da Justiça Militar reconheceu a excludente de ilicitude a serem apresentados vídeos, juntados no próprio inquérito, comprovando a legítima defesa", explica o advogado Antônio Cicalise Netto.

Izaque permaneceu preso durante todo o curso do processo, mas agora está solto, já que com a absolvição foi expedido alvará de soltura imediato. Foi ele quem se apresentou de forma voluntária à corregedoria da Polícia Militar após cometer o crime.

O caso ainda pode ser alvo de recurso do Ministério Público, mas agora Izaque responderá, se houver prosseguimento da ação, em liberdade. Ele tentou em várias oportunidades sua liberadade, com ingresso de habeas corpus, contudo não obteve êxito nas tentativas. "Ele cumpria os requisitos para não permanecer preso", frisa Netto.

Crime - Soldado da PM (Polícia Militar), Izaque Leon Neves matou o cabo Jurandir Miranda, que estava lotado na PMA (Polícia Militar Ambiental) com 7 tiros. O caso aconteceu em uma lanchonete que fica na rua Campo Grande, no Bairro Ovídio Campos, em Aquidauana em 24 de outubro do ano passado.

Izaque teria assassinado o colega policial por ciúmes de sua ex-mulher, que era atual namorada de Jurandir. Segundo relatos de testemunhas à Polícia Civil, os dois já haviam discutido por diversas vezes e trocado ameaças. A situação era tão grave que ambos, por causa da rixa, chegaram a sofrer punições militares. 

Fonte: Campo Grande News - Nyelder Rodrigues  

Publicidade
.

Leia Também