CENARIO
Logo Diario X
Aqui tem a Verdadeira Notícia
22 de maio de 2024
Coxim
24ºC

Estado MS

Juiz federal determina despejo em área invadida por índios há sete anos

Fazenda Curral de Arame fica ao lado da reserva e foi invadida em 2011; líder da invasão está preso por porte ilegal de arma

23 ABR 2018Por Redação/TR16h:45

O juiz substituto da 1ª Vara Federal Rubens Petrucci Junior determinou a reintegração de posse de uma propriedade rural invadida por índios há sete anos em Dourados, a 233 km de Campo Grande. A fazenda Curral de Arame fica ao lado da reserva local habitada por 15 mil pessoas e vinha sendo reivindicada pela Funai e pelos índios como parte da terra indígena demarcada há 101 anos.

A decisão é contra o líder da ocupação, Chatalin Graito Benites, que no dia 9 deste mês foi preso em Dourados acusado de porte ilegal de arma de uso restrito. O filho dele, de seis anos de idade, foi baleado na coxa direita pelo irmão, de nove anos, quando brincavam com a pistola de Chatalin.

Reintegração

Na decisão, o juiz federal rejeitou a manutenção dos índios com base no marco temporal estabelecido em 2009 pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no julgamento do caso envolvendo a reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima.

“No marco temporal fixado pelo STF, não havia ocupação em caráter permanente por parte dos indígenas na propriedade”, afirmou Rubens Petrucci Junior. O marco temporal estabeleceu que só áreas ocupadas pelos índios até a promulgação da Constituição de 1988 podem ser demarcadas.

Segundo o juiz federal, a Funai e o MPF (Ministério Público Federal) não conseguiram demonstrar a ocorrência de esbulho possessório ou expulsão dos índios por parte dos proprietários. “Além disso, os autos indicam que o imóvel era objeto de exploração econômica por parte da autora”. A fazenda pertence a Achilles Decian e Leonita Segatto Decian.

Rubens Petrucci Junior também negou o pedido de perícia topográfica solicitada pelos órgãos de defesa dos índios para averiguar se o imóvel invadido está inserido na área de 3.600 hectares da reserva local. Segundo ele, a perícia seria inútil para a demonstração do marco temporal.

Apesar da decisão favorável aos proprietários, o juiz não estabeleceu prazo para a desocupação da área, nem citou eventual despejo com uso de força policial, caso a reintegração não seja cumprida amigavelmente.

Outras invasões

A fazenda Curral de Arame é a propriedade invadida há mais tempo nos arredores da reserva indígena de Dourados. Outros cinco sítios menores, também localizados na margem do anel viário, estão invadidos desde março de 2016.

A Justiça Federal de 1ª instância chegou a determinar o despejo através de liminar, mantida pelo TRF3 (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região. Entretanto, em março do ano passado, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, suspendeu a reintegração até o julgamento final da ação, em andamento na 2ª Vara Federal, em Dourados.

Fonte: Campo Grande News

M9

Leia Também