Logo Diario X
Aqui tem a Verdadeira Notícia
25 de fevereiro de 2024
Coxim
24ºC
CENARIO

Dom Otair Nicoletti

Coluna

Os excluídos

8 FEV 2024Por Dom Otair Nicoletti00h:34

A lepra desapareceu e o homem ficou curado. Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos (Mc 1,40-45). 

Naquele tempo,40um leproso chegou perto de Jesus,e de joelhos pediu:"Se queres tens o poder de curar-me".41Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele, e disse:"Eu quero: fica curado!"42No mesmo instante a lepra desapareceu e ele ficou curado.

43Então Jesus o mandou logo embora, 44falando com firmeza:"Não contes nada disso a ninguém!Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificação, o que Moisés ordenou, como prova para eles!

"45Ele foi e começou a contare a divulgar muito o fato. Por isso Jesus não podia mais entrar publicamente numa cidade: ficava fora, em lugares desertos.E de toda parte vinham procurá-lo.Palavra da Salvação, Glória a Vós Senhor!  

MENSAGEM - Marcos, no Evangelho, vai mostrando: “Quem é Jesus”. Não se preocupa com definições abstratas, mas apresente Jesus agindo. A partir de seus gestos, podemos descobrir quem ele é: Jesus liberta o homem possuído por um espírito mau; Estende a mão à sogra de Pedro e ajuda a levantar-se; Hoje vemos a sua atitude para com os marginalizados e excluídos. Na Primeira Leitura mostra a severa discriminação dos leprosos, na Lei de Moisés: “O leproso andará com vestes rasgadas, cabelos soltos e barba coberta. Viverá isolado, morando fora do acampamento. Ao se encontrar com alguém, deve gritar: sou impuro”. (Lv 13,1-2, 44-46). 

O preceito se explica pela preocupação de contágio e pelo conceito dos hebreus, que viam na lepra um castigo de Deus. O leproso era assim um castigo de Deus e um excluído da comunidade. 

Na Segunda Leitura, Paula convida  “a fazer tudo para a glória de Deus” (1Cor 10,31-11, 1). No Evangelho vemos a atitude de Cristo para um leproso: purifica o doente e o reintegra na sua comunidade (Mc 1,40-45). Um leproso, contrariando a lei, aproxima-se de Jesus e, de joelhos, implora: “Se queres, podes limpar-me.” Jesus“se compadece”, “estende a mão e toca-o” e restitui a saúde: “Eu quero, fica curado”. 

A acolher e tocar o leproso, Jesus transgredia a lei, que proibia tocar neles. Mas depois a cumpre: manda apresentar-se ao Sacerdote, a quem cabia a decisão de reconhecer a cura e reintegrar na comunidade. 

Para Cristo, a caridade está acima da Lei. Jesus “compadecido” cura dois males: o mal da solidão e o mal da lepra. E reintegra o leproso na convivência fraterna. O leproso, ao experimentar o poder salvador de Jesus, torna-se um ardoroso testemunho do amor e da bondade de Deus. 

Deus não exclui ninguém – Todos são chamados a integrar a família dos filhos de Deus. O leproso não é um marginal, um condenado, um home indigno, mas um filho amado a que, Deus quer oferecer a Salvação e a vida. 

O Caminho do leproso deve ser o caminho de todo discípulo: Vir a Jesus, aceitar a própria limitação humana, experimentar a misericórdia e o poder libertador do Senhor e finalmente tornar-se testemunha das grandes obras de Deus. 

Há elementos do Sacramento da Penitência: A Penitência é um encontro com Jesus, que cura a lepra do pecado e reintroduz na comunidade eclesial. Os leprosos de hoje – infelizmente a “lepra” ainda existe em nossa sociedade e na Igreja. 

Há excluídos, mantidos “fora do acampamento”. São rejeitados como se fossem leprosos, todos os “Diversos” os que pensam ou agem diferente de nós. Quem se sente um leproso, a quem ele deve se dirigir? Será que poderá contar com o apoio dos cristãos de sua comunidade, com a mesma confiança do leproso que procurou Jesus?

Leprosos de hoje – são os que vivem nos barracos das favelas das cidades ricas; são os desempregados das cidades industriais; os jovens drogados, vítimas de uma sociedade consumistas; são as crianças abandonadas; são os idos sem vez no emprego e na família, como produto descartável. 

Jesus não teve repugnância dos leprosos: Pelo contrário, aproxima-se deles, porque vê neles um filho de Deus. Qual é a nossa atitude para com eles?Nossos preconceitos, nosso legalismo não estão criando marginalização e exclusão para os nossos irmãos?Jesus sentiu compaixão. 

O que sentimos diante do sofrimento, da injustiça, da miséria de um irmão? Estendemos a mão ou apenas lamentamos: “Coitado”?”

O encontro com Jesus mudou totalmente a vida do leproso. Ele não podia esconder a alegria, que esse encontro produziu na sua vida e sentiu a necessidade de dar testemunho. 

O nosso encontro com Cristo, na Igreja, na Eucaristia, em nossa comunidade, nos torna capazes de testemunhar no meio de nossos irmãos, com alegria e entusiasmo a libertação que Cristo nos trouxe? Quais são os leprosos que excluímos do convívio? 

Estamos dispostos, a exemplo de Cristo, nos aproximar deles e estender a nossa mão? O Leproso não tem nome, não se diz o lugar, nem o tempo em que foi curado. É para que o nome seja o Meu, o lugar seja Aqui e o tempo seja Agora. 

Qual é a sua lepra? Quando o Evangelho é anunciado, se me entrego a Jesus e me converto, realiza-se em mim aquilo que é narrado: “Quero, fica purificado”. 

Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa