Diário X

03 de abril de 2020
Aqui tem a Verdadeira Notícia

Estado MS

Azambuja escolhe Gerson Claro como liderança do Governo na Assembleia Legislativa

Eduardo Rocha (MDB) foi indicado como vice-líder

11 FEV 2020Por Redação20h:44

O deputado Gerson Claro (PP) foi confirmado como líder do governo na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS) durante a sessão desta terça-feira (11). Claro é conduzido ao cargo após a saída do parlamentar José Carlos Barbosa (DEM) - o Barbosinha - da função.

Barbosinha deixou a liderança do governado porque pretende concorrer à prefeitura de Dourados e não teria como conciliar agenda de deputado, líder do governo e pré-candidato. No começo de janeiro ele adiantou ao Correio do Estado que sua saída já tinha sido acordada com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) quando assumiu a função.

Gerson Claro era considerado um dos preferidos para suceder Barbosinha entre os deputados, o nome do tucano Rinaldo Modesto também foi cotado. Modesto foi líder durante o primeiro mandato de Azambuja, procurado pelo Correio do Estado ele disse que outros parlamentares poderiam ocupar o cargo de confiança, citando o nome de Claro e de Londres Machado (PSD).

O presidente da Casa, Paulo Corrêa (PSDB), disse em entrevista coletiva que os deputados que pretendem concorrer às eleições de outubro não devem ocupar funções de presidência nas comissões da ALEMS e que os pré-candidatos já estavam se organizando.

Por ser o novo líder do governo na Casa, Claro decidiu sair da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), bem como da vice-liderança do antigo G10, que agora é G11.

O líder do maior grupo da Casa continua sendo o deputado Londres Machado (PSD) e a vice-liderança passou agora para o deputado Neno Razuck (PTB)

Além do anúncio da liderança do governo passar para Claro, durante a sessão que ocorreu de hoje, o deputado Rinaldo Modesto (PSDB) leu documento oficializando sua recondução ao cargo de líder do PSDB na Assembleia. O vice-líder dos tucanos será o deputado Onevan de Matos.

Outra novidade é que o vice-líder do governo na Assembleia será o deputado do MDB, Eduardo Rocha. Não é de hoje que o esposo da senadora Simone Tebet (MDB) tem demonstrado apoio ao governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB). Na eleição de 2018 e durante votações de projetos do Executivo estadual, no ano de 2019, Rocha sempre sinalizou a parceria. “Eu sempre fui a favor das duas siglas serem parceiras, não concordo com o rompimento, MDB e PSDB sempre caminharam juntos; nos últimos anos que isso rompeu, mas acho que as duas siglas perdem com isso”, justificou Rocha.

Na atual composição, o presidente o CCJR, responsável em avaliar a constitucionalidade dos projetos de lei que tramitam no Legislativo, é o deputado Lídio Lopes (Patriotas), mas ele já adiantou que a liderança poderá mudar. O deputado José Carlos Barbosa (DEM) também anunciou mudanças ao declarar que não vai mais fazer parte da comissão porque pretende se dedicar ao “projeto Dourados”, o democrata é pré-candidato à prefeitura do segundo maior colégio eleitoral do Estado. 

O concorrente de Barbosinha em Dourados, o deputado Marçal Filho (PSDB) também é integrante na atual composição da CCJ e poderá sair do grupo, porém, ele disse que “nada foi decidido ainda”.

O líder do G8 ainda não foi definido. Com o anúncio que o deputado Márcio Fernandes (MDB) será o pré-candidato para disputar a Prefeitura de Campo Grande, pela sigla, a vaga para o comando do grupo está em aberto.

Aliados

A escolha de Gerson Claro como líder do governo estreita ainda mais a aliança entre PP e PSDB. Os partidos estão unidos em Costa Rica com a filiação do Cleverson Alves dos Santos, o Delegado Cleverson, ao PP que tem apoio do PSDB e do PSD.

Além de Costa Rica os partidos devem se unir em Sidrolândia, o ex-deputado Enelvo Felini, tenta viabilizar sua candidatura para novamente assumir o Executivo da cidade e os tucanos buscam apoio do PP para concorrer. Um dos nomes que querem disputar a prefeitura da cidade é o ex-governador de Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos - Zeca do PT.

Fonte: Correio do Estado -  Izabela Jornada e Yarima Mecchi

Leia Também