Diário X

23 de janeiro de 2019
Aqui tem a Verdadeira Notícia

Economia

Com sinais de alívio do mercado, real é a moeda que mais se valoriza no ano e Bovespa tem 2ª maior alta global

Diminuição da tensão comercial global, indícios de política de juros mais branda nos EUA e expectativa por reforma da Previdência têm beneficiado ativos brasileiros.

13 JAN 2019Por Redação/TR22h:00

O mercado financeiro tem dado sinais de alívio e otimismo com o Brasil. Neste ano, o real é a moeda que mais se valorizou em relação ao dólar, enquanto a bolsa brasileira ostenta o segundo melhor desempenho global.

Em 2019, a moeda brasileira já acumula valorização de 4,3% ante o dólar. Depois do real, o rublo, da Rússia (3,9%), e o rand, da África do Sul (3,6%), foram as moedas que mais se fortaleceram, segundo levantamento da agência de classificação de risco Austin Rating.

O dólar encerrou a semana negociado a R$ 3,7144.

Já a bolsa brasileira subiu 6,57%, o que significa um desempenho inferior apenas ao do índice Merval, da Agentina (11,95%), de acordo com a provedora de informações financeiras Economatica.

O Ibovespa, principal indicador da bolsa brasileira, a B3, fechou a semana a 93.658 pontos.

A valorização do real e a alta da bolsa são explicadas por fatores externos e internos. No cenário internacional, há uma redução nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China e sinais de que os juros devem subir menos do que o esperado na economia norte-americana – taxas mais altas nos EUA têm potencial para atrair recursos aplicados em países emergentes.

"Se analisarmos o que ocorreu no ano passado, houve um aumento de juros nos Estados Unidos e o crescimento da tensão entre EUA e China. Naquele momento, as moedas de países emergentes estavam se desvalorizando mais", afirma o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini. "Agora, há uma mudança nesse grau de preocupação."

Nas últimas declarações, o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Jerome Powell, tem indicado uma política monetária mais branda para a economia norte-americana. Por ora, a expectativa majoritária é que os juros subam mais duas vezes neste ano. Em 2018, foram quatro altas.

"A expectativa ainda é de duas altas nos juros, mas existe até a possibilidade de o Fed fazer uma pausa no curto prazo", afirma o economista da consultoria Tendências Silvio Campos Neto. "A economia dos EUA ainda cresce num ritmo bom, o mercado de trabalho segue aquecido, mas o cenário econômico norte-americano passa por um ajuste, com a possibilidade de desaceleração."

Internamente, a expectativa é pela agenda econômica do novo governo, com o encaminhamento da reforma da Previdência. A reforma é considerada fundamental para o acerto das contas públicas. Sem ela, a percepção de risco do Brasil pode piorar, provocando uma fuga de investidores, desvalorização do câmbio e consequente impacto para inflação e juros.

“A composição da equipe foi bem recebida pelos investidores e, apesar dos desencontros dentro do governo, a sinalização é de que o governo vai enviar uma proposta firme para a Previdência", diz Campos Neto.

Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a proposta de reforma da Previdência será enviada para o Congresso em fevereiro. O governo estuda um regime de capitalização e a adoção de idade mínima de 62 anos para homens e 57 anos para mulheres.

"Tudo ainda é muito recente. São só 11 dias do novo governo. Se o tempo for passando e as medidas não se concretizarem, o mercado pode fazer uma correção (desvalorização do real)", afirma Agostini.

Por Luiz Guilherme Gerbelli, G1

 

Enquete

Se as eleições fossem hoje, em quem você votaria para prefeito de Coxim?
Resultados
Publicidade
Banner Parceiros

Leia Também