Diário X

21 de agosto de 2018
Aqui tem a Verdadeira Notícia

Brasil

'Meu foco é esse: compro, vendo e alugo', diz empresário do DF que comprou triplex atribuído a Lula

Fernando Gontijo mora em Brasília, é advogado e há 38 anos trabalha como investidor imobiliário 'dentro e fora da capital'.

16 MAI 2018Por Redação/TR17h:56

O empresário Fernando Costa Gontijo, que comprou o triplex na praia do Guarujá (SP) atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não recebeu o documento para efetivar a aquisição de imóvel de R$ 2,2 milhões. O prazo para isso vai até sexta-feira (18), mas Gontijo disse ao G1 que fez um bom negócio.

"Meu foco é esse: compro, vendo e alugo."

Gontijo mora em Brasília e afirma não ter nenhuma ligação com política ou com políticos. Ele é advogado, mas diz que não exerce a profissão. Há 38 anos, trabalha como investidor do mercado imobiliário – "dentro e fora de Brasília", fez questão de frisar.

Além do depósito judicial de R$ 2,2 milhões, o empresário terá de pagar a comissão do leiloeiro, que é de 5% sobre o valor do imóvel, ou seja, R$ 110 mil. "Ele [o triplex] foi vendido pelo preço de avaliação. Eu entendi que o preço estava dentro do mercado", afirmou Gontijo.

"Quando liberarem os gravames judiciais, após a arrematação, eu penso que ele terá uma liquidez maior."

A aposta do investidor se baseia, além da localização do imóvel, na popularidade que ele adquiriu e no número de visualizações que o imóvel, atribuído ao ex-presidente Lula, teve no site do leiloeiro: mais de 60 mil.

"É um símbolo, é um imóvel que todo mundo no Brasil conhece."

Lula e o triplex

O juiz Sérgio Moro ordenou a venda do triplex em leilão público em janeiro deste ano. No despacho, ele afirmou que o imóvel foi "inadvertidamente penhorado, pois o que é produto de crime está sujeito a sequestro e confisco e não à penhora por credor cível ou a concurso de credores".

O ex-presidente Lula foi condenado em duas instâncias no processo que envolve o imóvel. Em primeira, a pena fixada foi de 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. Na segunda instância foram 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado.

O político foi acusado pelo MPF de receber propina da empreiteira OAS. A suposta vantagem, no valor de R$ 2,2 milhões, teria saído de uma conta de propina destinada ao PT em troca do favorecimento da empresa em contratos na Petrobras.

Lula nega as acusações e afirma ser inocente. O ex-presidente cumpre pena, desde 7 de abril, em uma sala especial na Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba.

Fonte: G1

Enquete

A propaganda política do horário eleitoral pode definir o seu voto?
Publicidade
Banner Parceiros

Leia Também